Câncer de Mama em Cadelas

Há pouco mais de 10 anos as chances de sobrevivência de um animal que apresentasse câncer (neoplasia) eram poucas ou inexistentes. O avanço dos estudos na última década modificou em muito a conduta dos veterinários no tratamento da doença. A melhoria nos padrões de bem estar e cuidados de saúde possibilitou significativo aumento da expectativa de vida dos animais de companhia.

O câncer mamário é a neoplasia mais frequente em cadelas. A maior incidência está em animais acima dos sete anos de idade e infelizmente oferece um risco potencial à vida. A malignidade do tumor está relacionada à capacidade de uma célula cancerosa migrar (metástase) através da corrente sanguínea ou linfática e alojar-se em outros órgãos, especialmente nos pulmões, levando à morte.

O tumor de mama em cadelas é, em diversos aspectos, muito semelhante ao da mulher. Dentre os principais fatores estão o uso contínuo de alguns anticoncepcionais, dieta imprópria e obesidade. Outro importante fator relacionado ao câncer mamário é a pseudociese, popularmente conhecida como gravidez psicológica.

Como na mulher, a detecção em cadelas é realizada através do exame periódico de inspeção e palpação de nódulos de tamanho e consistência variável na glândula mamária. O exame deve ser realizado pelo proprietário e pelo médico veterinário, nas visitas de rotina. A detecção precoce dos nódulos é fundamental para o sucesso do tratamento, visto que mais de 50% dos tumores de mama são malignos (carcínomas, adenocarcinomas). Vale ressaltar que a maioria dos tumores malígnos não causa dor nem febre e o animal não reclama.

Ao detectar um nódulo o proprietário deve procurar o médico veterinário que além do exame físico solicitará, também, exames complementares como exame de sangue, radiografia toráxica, mamografia, ultrassonografia, citologia aspirativa e biópsia (de acordo com cada caso), orientando o diagnóstico definitivo e um tratamento mais racional e eficaz, pois para decisão de qual conduta terapêutica será tomada é fundamental o conhecimento do tipo de câncer e condições do paciente. O tratamento de eleição para o câncer de mama é cirúrgico, através da retirada da glândula mamária (mastectomia parcial) ou cadeia mamária (mastectomia total). Em alguns casos a retirada dos linfonodos relacionados é indicada, assim como a utilização de quimioterapia, que pode ser empregada no pré e pós cirúrgico.

Como medida preventiva a histerectomia eletiva é muito eficiente e reduz em quase 100% as chances de incidência da doença se realizada antes do 1º cio (por volta dos seis meses de idade). Se a castração for efetuada antes do 2º cio, as chances do animal não apresentar a doença são maiores que 90% e, após o 2º cio podem passar de 70%. Depois do 3º cio, a histerectomia já não exerce tanta influência no desenvolvimento do câncer de mama, mas elimina os riscos de câncer de útero, ovário, piometra (infecção uterina) e pseudociese.

Título Original: Câncer de mama em cadelas – A importância da realização do exame periódico da mama.

Autor: Bernardo Lopes